• Cabeçalho

PROGRAMA DE INTERVENÇÃO TERAPÊUTICA: RE-HABILITAR

Destinatários: Pessoas Assistidas

ENQUADRAMENTO

A unidade 06 – Maria Josefa é uma unidade de Psicogeriatria, de longo internamento, sendo que as pessoas assistidas encontram-se numa faixa etária superior a 65 anos, existindo, por isso, sinais mais evidentes de alterações no envelhecimento, sobretudo ao nível do desempenho cognitivo, afectivo e social.

A Organização Mundial de Saúde e a Comissão da União Europeia consideram de grande importância todas as medidas, políticas e práticas, que contribuam para o envelhecimento ativo – enfatizando medidas cooperativas e interdisciplinares em prol da qualidade de vida das pessoas idosas.

Para Gonçalves, C. (2012), suportada por outros autores, as alterações cognitivas mais afectadas nos idosos são: a atenção, a concentração, o raciocínio indutivo, a memória, a capacidade perceptiva e espacial, as funções executivas e a velocidade de processamento.

Várias investigações têm levado à conclusão que a estimulação cognitiva tem consequências positivas no desempenho cognitivo dos idosos e é um fator de prevenção contra a deterioração cognitiva (Hofland, Willis, & Baltes, 1981; Rodrigues, 2006; Falkenstein & Sommer, 2006; Fernández-Ballesteros, 2011).

O estudo de Gonçalves, C. (2012) revela ainda que autores defendem que muitos idosos institucionalizados estão mais propensos ao sedentarismo em resultado de falta de atividades que estimulem a área cognitiva, social e física. E, como solução, para minimizar este tipo de problemas, recomenda-se a aplicação de programas de estimulação cognitiva como prevenção da decadência dos processos cognitivos e sociais.

Deste modo, foi identificada a necessidade de iniciar um programa terapêutico de intervenção multidisciplinar, para promover a manutenção das funções cognitivas das pessoas assistidas.

 

OBJETIVOS GERAIS

Promover a manutenção das funções cognitivas das pessoas assistidas.

OBJETIVOS OPERACIONAIS

Como objetivos operacionais, pretende-se:

  • A realização de intervenções no âmbito da estimulação cognitiva, nomeadamente ao nível de quatro áreas/domínios: Atenção e Orientação, Memória, Fluência, Linguagem e domínio Visuo-Espacial;
  • A manutenção/melhoria dos resultados das funções cognitivas das participantes;

METODOLOGIAS UTILIZADAS/ATIVIDADES A DESENVOLVER

As metodologias utilizadas são: atividade individual e de grupo, com recurso a aplicação de exercícios escritos e/ou orais.

Relativamente às atividades a desenvolver: as sessões serão realizadas pela equipa multidisciplinar integrante do programa – Enfermagem, Terapia Ocupacional e Psicologia. Estas sessões são realizadas com a seguinte distribuição: três sessões pelos enfermeiros intervenientes, uma sessão a realizar pelo psicólogo e uma sessão a realizar pela terapeuta ocupacional, perfazendo 5 sessões semanais.

A avaliação será realizada através da avaliação neuropsicológica das pessoas assistidas (com a aplicação de MMSE, ACE-R e avaliação nos domínios: Atenção e Orientação, Memória, Fluência, Linguagem e domínio Visuo-Espacial e/ou a escala NEMI), pelo Psicólogo da unidade. Esta avaliação irá permitir a verificação do declínio, manutenção ou melhoria das funções cognitivas, através da avaliação do desempenho cognitivo das pessoas assistidas integradas no programa.

 

INDICADORES

Como indicadores do programa terapêutico definimos:

Indicador de processo: Número médio de participantes; Número de sessões;

Indicador de resultado: Número de áreas de intervenção; Resultado da avaliação neuropsicológica;

Indicador de Efetividade: Taxa de concretização do programa terapêutico



© Copyright 2020, Irmãs Hospitaleiras. Todos os direitos reservados.