• Cabeçalho

PROGRAMA DE INTERVENÇÃO TERAPÊUTICA: CAMINHANDO

As mudanças fisiológicas, psicológicas e sociais que ocorrem ao longo do processo de envelhecimento influenciam de forma decisiva o comportamento da pessoa assistida.

O declínio gradual das aptidões físicas, o impacto do envelhecimento e também das comorbilidades tendem a alterar negativamente os seus hábitos de vida e as suas rotinas diárias. Todos estes aspectos têm impacto negativo no desempenho físico, na habilidade motora, na capacidade de concentração, reação e coordenação, gerando assim, processos de auto desvalorização, apatia, insegurança, perda de motivação e isolamento.

Da prática de exercício físico regular advêm benefícios, tais como a melhoria da flexibilidade, da mobilidade articular, da coordenação motora, da postura e, também, da capacidade respiratória. Nunes e Santos (2009), afirmam que este é o exercício físico mais natural, por ser uma atividade simples, facilmente controlável, sem a necessidade de equipamentos, podendo ser praticada por qualquer pessoa. De salientar ainda que, esta promove a socialização, uma vez que implica o contato com o meio ambiente.

A caminhada, surge assim, como o exercício físico mais recomendado, pois, fortalece o sistema muscular, melhora a auto estima, a qualidade de vida e, consequentemente, promove a independência/autonomia.

Assim, os efeitos da diminuição natural do desempenho físico podem ser atenuados com o desenvolvimento de programas de atividades físicas que visem a melhoria das capacidades motoras, dando ênfase à manutenção das aptidões físicas, tão importantes para o bem-estar.

Deste modo, a implementação do Programa "Caminhando" tem por objectivos:

  • Promover a atividade física como instrumento de prevenção de doenças;
  • Proporcionar a manutenção e ganho de força muscular.


© Copyright 2020, Irmãs Hospitaleiras. Todos os direitos reservados.